quarta-feira, 12 de julho de 2017

XV CONGRESSO DE FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA: FENOMENOLOGIA DA VIDA



O tema da vida é de tal forma indissociável da história do movimento fenomenológico que pode ser considerado, sob vários aspectos, o seu conceito fundamental. Tal interesse e afinidade originária parte da convicção de que leitura científica não esgota o tema do Lebenswelt, que subjaz como tarefa principal da filosofia, tal como ela é praticada por autores como Husserl, Heidegger, Merleau-Ponty, Michel Henry ou Hans Jonas. Tais autores se articulam em torno de uma preocupação comum: tematizar a vida mesma, não como conceito operativo, mas como interrogação autenticamente filosófica, ou seja, como pergunta sobre a concepção de ser vivente e sua experiência de mundo. Trata-se de discutir o terreno que nos é dado de antemão, como afirmou Husserl, o “campo universal de toda práxis efetiva e possível”, o “reino das evidências originárias”. A volta ao mundo da vida, por isso, permite à filosofia superar as antinomias clássicas que opunham consciência e corpo, vida e mundo, interior e exterior, ao reconhecer uma existência encarnada, para além das perspectivas antropocêntricas e das idealizações e teorias explicativas correntes, reinaugurando uma nova perspectiva ontológica, a partir da qual se desdobram tanto uma nova antropologia quanto uma nova ética. Trata-se de superar a ontologia da objetificação que acabou por levar a um esquecimento da vida, em nome de um tratamento que tome o fenômeno vital a partir de seus temas centrais, tais como a intencionalidade, a facticidade, a afetividade, a corporeidade, a animalidade, o desejo, a percepção, a finitude etc.

Reconhecendo tal relevância, os organizadores do XV Congresso de Filosofia Contemporânea da PUCPR pretendem reunir especialistas em alguns dos principais autores que tratam do tema, em vista de debater as diferentes perspectivas fenomenológicas em torno da questão da vida. Trata-se de discutir a emergência do tema diante dos discursos e práticas divergentes, tanto aquelas que advêm da ambiguidade ontológica de seu reconhecimento, quanto aquelas que criticam a sua redução ao objetivismo científico e tecnológico. A partir dessas diferentes posições teóricas, pretende-se, de maneira geral, enfrentar a questão decisiva sobre o estatuto ontológico da vida como conceito em seus diferentes matizes fenomenológicas, ou seja, no modo como a vida aparece e desde qual pode ser pensada.

Equipe organizadora:
Jelson Oliveira e Ericson Falabretti

Inscrições e informações: xvcongressodefilosofia@gmail.com
Submissões de resumos para comunicações até 10/10/2017