segunda-feira, 5 de junho de 2017

NÃO BASTA TOLERAR AS DIFERENÇAS, É PRECISO RESPEITÁ-LAS



[...]

“Tolerância” remete, de cara, à ideia de tolerados. Ou seja, um certo grupo, do alto de seu prestígio, no máximo tolera aqueles que estão abaixo dele.

E tolerar não tem nada a ver com disposição para conviver e aprender com o outro. É cada um no seu espaço, apenas coexistindo, sendo o grupo mais vulnerável submetido à “boa vontade” daqueles mais poderosos e com mais vez e voz na sociedade.

É preciso superar os chamados à tolerância e investir em outros, mais potentes e significativos. É hora de pensar em respeito. Respeitar envolve ter interesse pelo outro, desenvolver empatia e descobrir pontos em comum, até, quem sabe, conquistar admiração por quem é diferente de nós. É a esfera da convivência, da troca e aprendizado mútuo.

Se a tolerância não estimula o diálogo e só faz promover relações assimétricas, o respeito, ao contrário, passa necessariamente pela boa comunicação, o que aumenta as chances de entendimento.

Refletir sobre a diferença entre tolerância é respeito é fundamental para tratar da questão da diversidade de forma mais autêntica e assertiva.

[...]


PS: Para quem quiser se aprofundar nas diferenças entre tolerância e respeito, sugiro a leitura de Rodrigo Miquel Alsina, pesquisador espanhol na área de Comunicação Intercultural, e importante referência nos meus trabalhos.