terça-feira, 27 de junho de 2017

CHAMADA PARA TRABALHOS: REUNIÓN DE ANTROPOLOGÍA DEL MERCOSUR



A Reunião de Antropologia do Mercosul (RAM) acontece de 4 a 7 de dezembro de 2017, em Posadas, Misiones, Argentina. O evento é uma oportunidade de debater as questões da praxis antropológica mas é também uma ação fundamental para realizar estes debates em função do contexto histórico e político em que se desenvolvem nossas experiências. Os investigadores interessados em submeter resumos têm até 10 de julho de 2017.
Eixo Temático
A implementação do processo de integração regional desde 1986 e a subsequente criação do Mercosul em 1991, não só estabeleceu a arquitetura jurídica e política de uma organização supranacional com as metas em nível estadual mas foi o gatilho para várias iniciativas da sociedade civil que endossaram os ideais tantas vezes frustrados e que atrasaram a unidade da América Latina.
O Mercosul passou por diferentes fases desde a sua criação através de alguma orientação social-democrata inicial; em seguida, por uma versão neoliberal resultados desastrosos; e, finalmente, uma política que favoreceu a política sobre a economia e o comércio, desde a gestão de governos populares, progressistas, pragmática e uma orientação anti-imperialista clara. Mercosul cresceu e tornou-se UNASUL e CELAC então. Hoje, no entanto, as forças da desintegração, que sempre agiram para impedir a criação de um bloco autónomo estão operando em favor do velho sonho de dominação continental de uma hegemonia que não se resigna a perder sua auto-atribuição de um "destino manifesto".
Os antropólogos sabem muito bem que não formam um bloco compacto e poderíamos falar sobre várias "antropologias". As questões e problemas que lidamos têm-se multiplicado exponencialmente. Discussões teóricas estão na agenda, como a redução da antropologia à etnografia e muitas outras divergências de grande interesse que fazem a nossa identidade.
Os Grupos de Trabalho podem ser consultados na página da RAM 2017.
GT "Antropologia do Cine" 
Antropologia del Cine: desafíos e diálogos entre a imagem e análise antropológica
Considerando as narrativas cinematográficas como uma forma expressiva de nossa época, que revela, através de imagens e sonidos, as utopias e distopías contemporâneas, este simposio temático tem como proposta reunir investigadores latinoamericanos que estudian as múltiplas relações entre as imagens fílmicas e análises antropológicas da perspectiva da Antropologia do Cine.
A partir de esta perspectiva, se pretende debater o cinema como objeto antropológico em su sentido propio, enfocando especialmente:
  • As articulações entre cine, narrativa, memoria e subjetividade;
  • As representaciones e interpretações que narrativas cinematográficas nos proponem sobre os mais diversos temas, como a relação "natureza-cultura", o estatuto de "humano / não humano", del "corpo", "género", "sexualidade" "Identidade", etc .;
  • As condições sociais de produção, circulação e recepção de que narrativas em sus mais diferentes formatos e géneros, considerando as diversas categorias que estruturan o campo cinematográfico.
Mais informações no documento em anexo e na página da RAM 2017.