segunda-feira, 19 de junho de 2017

A OMISSÃO SOBRE AS QUESTÕES DE GÊNERO SÓ FAVORECE AOS AGRESSORES

por prof. Dr. Celso Kraemer.

A Procuradoria-Geral da República ajuizou uma ação no STF alegando ser inconstitucional a proibição das expressões "identidade de gênero", "ideologia de gênero" e "Orientação de gênero" em documentos complementares do Plano Municipal de Educação e nas diretrizes curriculares. Sobre isso se pergunta:

- As questões relacionadas a gênero devem ter espaço nos debates escolares?

É de suma importância que a Escola cuide da Educação de crianças e adolescente, em todos os aspectos.

Isso inclui educar na ética para combater a ignorância relativa a muitas temáticas contemporâneas, como a diversidade religiosa, a diversidade étnico-racial, a diversidade cultural e a diversidade sexual. Está em todos os documentos nacionais sobre a Educação Básica (o Plano Municipal de Educação do município de Blumenau descumpre esses documentos) o direito de as crianças terem acesso ao esclarecimento e à emancipação. A desigualdade de gênero ainda é muito forte em nosso país e precisamos dar condições para que as crianças cresçam com novos conceitos, de acolhida à diferença, convivendo de maneira igualitária entre si, independente do seu gênero.

- Qual a importância desta discussão nas escolas?
O Brasil é um dos países mais violentos com relação à diversidade de gênero.
Somos um dos países com o maior número de agressão à mulher, assassinatos de mulheres, estupros, humilhação e exploração sexual de crianças, adolescentes e mulheres, por sua condição de miséria ou inferioridade de gênero. Somos o país que mais assassina transexuais e homossexuais. A causa desses assassinatos é a ignorância intencionalmente mantida por pessoas retrógradas, que querem preservar a superioridade do homens heterossexuais sobre todas as outras sexualidades. É terrível ver nossas irmãs e irmão serem agredida/os, violentada/os, assassinada/os pela ignorância e a intolerância de alguns. A escola tem a obrigação de educar para a igualdade, a diversidade, o respeito, visando eliminar a intolerância em nossa sociedade.

- A proibição determinada pelo Plano Municipal de Educação pode acarretar em prejuízo à formação do cidadão a partir do que se aprende e discute na escola?
Obviamente, a ignorância, o silêncio (a mordaça) imposta aos ambientes escolares pelo Plano Municipal de Educação de Blumenau é uma ofensa à inteligência humana, à ética da boa convivência e à capacidade de aprendermos a amar a todas e todos, independente da cor de sua pele, de suas crenças, de sua religiosidade, de seus costumes culturais, de sua condição sócio-econômica ou de sua identidade de gênero. O prejuízo a curto, médio e longo prazo é irreversível, pois reproduz o ciclo de violência e agressão importo às minorias em nossa sociedade. A quem interessa alimentar o ódio e a intolerância? Obviamente que não é aos que sofrem as agressões. A omissão da escola sobre as questões de gênero só favorece aos agressores e alimenta a ignorância que os torna fortes.