quinta-feira, 2 de março de 2017

NO SUFOCO, COM DIFICULDADES E PÊNALTIS, TIMÃO PASSA PELO BRUSQUE


5x4, com seis batidas de cada lado. Com o coração da ponta de chuteira.

Antes do resultado final, como é diferente ver o jogo do Brusque de Pingo do time de Mauro Ovelha. O time é mais consistente e tem um passe de bola mais concentrado, com menos erros. O jogo de hoje, mostrou o quanto é importante é a necessidade de uma tática bem estruturada. O Corinthians teve em dominar o jogo. O Brusque bem fechadinho deixando poucos espaços e jogando por uma bola dominou e envolveu o adversário. Em certo grau, um jogo enfadonho. Ping pong de bola para os dois lados o que mostra que o jogador com a bola não tem nenhum companheiro perto dele apto a receber a bola e capaz do improviso tático. Por maior que seja a obediência tática, necessita também um olhar de coletividade. A ausência de uma meia cancha criativa urge no Corinthians e no Brusque também. A forma de jogar do Boquita é interessante. Já observei isto aqui no blog, do último jogo que acompanhei. Ele não faz nenhuma corrida, ocupa praticamente a mesma faixa do campo o jogo inteiro, mas raramente erra algum passe. Não carrega o piano, mas não desafina. E assim foram noventa minutos, sem bola na rede e sofrimento até o final para o torcedor de ambos os lados.