sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

DEPOIS DA CHUVA VEM A SUJEIRA

Banhistas deixam espaço a beira de rio com muito lixo



Ecologia humana e ecologia ambiental caminham juntas. Já nos anos de 1980, Leonardo Boff, publicava um texto chamado Ecologia Integral. Ser humanos e natureza caminham integrados e o caminhar é afetado pela ideia de “progresso”. Uma ideia de ocupação dos espaços pela própria ocupação, sem preocupar-se com o que haverá depois. Diante deste contexto inseguro a cultura do descarte é uma das consequências mais fortes. A cultura do descarte fere diretamente na ideia de criação, do espaço como algo dado por Deus aos homens. “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), como significar guardar, cuidar a criação, se em muitos momentos ocupamos, usamos e descartamos?

As fotos são de uma cachoeira do Rio Luiz Alves, na altura do Braço Direito, sempre ocupada por banhistas de rio, porém, a ocupação deixa feridas abertas. A inconsequência ambiental, não está nas grandes obras de ocupação mas na ação tola despreocupada do dia a dia. São estas ações impensadas e inconsequentes que dão continuidade a destruição da mãe Terra.