sexta-feira, 2 de setembro de 2016

UM MASSACRE NA PAULISTA

ouTexto recebido via WhatsApp

Recomendo a leitura do depoimento  que vou postar abaixo. É um relato de uma pessoa que testemumhou como será a mão de ferro da ditadura que ontem foi entronizada no nosso país.É preciso denunciar amplamente o que ocorreu ontem na Paulista em ato Fora Temer/ contra o impeachmant para resistirmos com a intensidade necessária. Sexta e domingo é todo mundo na rua! Vejam relato abaixo:

Segue o depoimento para que o mundo saiba
"Um MASSACRE em SP da PM Paulista.

Mais de 20 mil pessoas desciam a Consolação. Por volta de 1.500 soldados do Choque, Força Tática e PM's comuns vinham atrás acompanhando. Quase no fim da Consolação haviam uma barreira de mais de 500 soldados da Tropa, Força Tática Caminhões bloqueando a passagem. Neste momento os Policiais que vinham atrás começam a comprimir os manifestantes num trecho que não haviam saídas laterais.
Percebi a situação, mas não acreditei que eles fariam aquilo. De repente começam a lançar no meio da manifestação uma chuva de bombas de gás. A correria é intensa. O povo tenta escapar e a única maneira era passando pelos cordões Policiais. Eles então começam a atirar a queima roupa balas de borracha e bombas de efeito moral. Bem em minha frente uma senhora tem o rosto dilacerado por estilhaços de uma bomba de efeito. O pessoal ajuda a senhora carregando nos braços. Os que passavam recebiam cacetetes na cabeça e nas costas. Várias pessoas pisoteadas. O povão que consegue passar acessa as ruas laterais e são perseguidos por carros e motos da PM. Vejo um jovem sendo atropelado por uma viatura. A fumaça de gás e bombas era intenso, não consigo enxergar número da viatura, É muito dificl correr e respirar. Os PM's alvejam jornalistas da imprensa alternativa devidamente identificados que tentam cobrir os fatos. E tentam tomar os equipamentos.em seus equipamentos. A revolta toma conta da massa que começa a montar barricadas por todo lado. Helicopteros da PM sobrevoa orientando as viaturas e motos policiais. Neste momento estou com um grupo 300 pessoas encurraladas justamente na Rua Maria Antônia (parece até ironia da história) Várias caçambas de entulho de reformas nos condomínios de alto padrão do entorno são utilizadas pra bloquear as ruas. A Rua Maria Antônia arde em chamas. Os moradores dos apartamentos assistem tudo do alto de suas varandas gourmets. A PM rompe o bloqueio e os manifestantes descem a Rua Veridiana correndo vemos mais um atropelamento, desta vez uma pickup branca. Não dá pra anotar placa com a PM no encalço. A moça atropelada chegou a cair no chão, o carro pegou de lado, mas ela se levanta e sai correndo mancando. Chegando no Largo Santa Cecília mais de duas mil pessoas começam a se juntar no entorno. Passamos a saber dos vários feridos, mulheres, senhoras e até crianças que acompanhavam os pais. O pessoal se revolta e decidem ir até a sede da Folha protestar contra essa a imprensa que alimentou o Golpe na Democracia. Em 20 minutos chega a PM despejando bombas. Um jornalista da imprensa alternativa é espancado pelos PM's. Voltamos pra Santa Cecília. Pelas redes sociais ficamos sabendo que na Praça Rosevelt e Praça da República a PM agridem manifestantes e revistam todos os transeuntes que acham suspeitos. Junto com um grupo do ABC pegamos o metrô e viemos embora. O que PM cometeu foi um verdadeiro Crime Contra a Humanidade. São Paulo, 31 de Agosto de 2016, 52 anos depois de 1964.