quarta-feira, 7 de setembro de 2016

COM TRÊS GOLS BRASIL VENCE POR DOIS

Que diferença faz um treinador com uma visão mais ampla de jogo! As entrevistas são mais didáticas, não há uma lógica boba entre amigos e inimigos, apenas interesses. Os jogadores parecem mais serenos. A serenidade fica tão evidente enquanto o jogo permanece desfavorável. No tempo de empate, houve discussões, faltas e outros destemperos, mas ficou claro que isto fazia parte da partida e não eram alimentadas por uma cisma do treinador, como em outros tempos. Falo da seleção comparando com o passado recente, afinal, o time da CBF saiu de sexto na planilha de classificação para estar em segundo. Isso quer dizer muita coisa.

O time parece treinado agora. Os jogadores avançam em triângulos, oportunizando espaço e com cobertura de boa. Os dois laterais tendem para o meio formando opção ao passe e ao ataque, ao ponto que os zagueiros acompanham este movimento fechando os espaços, a caída é interessante porque o adversário insistia em atacar pelo meio, quando não estava cometendo faltas. Além do jogo duro, a Colômbia também fechava bem os espaços, marcando em linhas, ao mesmo tempo que deixava espaços minimizava os avanços. Um jogo interessante e bem pensado, afinal dois grandes treineiros no banco. A entrada de Philipe Coutinho alterou a movimento do meio campo trazendo um elemento surpresa. Tamanha foi a surpresa que a seleção entrou neste balé um caminho para a vitória. Tite é o cara!


Quem mais perdeu nesta rodada dupla foi o Equador, que saiu da zona verde para quinta posição. O Chile, mesmo com dois títulos continentais não consegue se impor nas eliminatórias. E a grande zebra foi a Messidependência argentina, que na ausência do craque arrancou um empate com a Venezuela. Sim existem bobos no futebol ainda, e o bobo não foi a Venezuela, mas os Hermanos que jogaram um futebol medíocre contra a fraca adversária que enfrentará o Brasil na próxima rodada.