sábado, 20 de agosto de 2016

A NOVA RECORD NEWS JÁ FOI AQUILO QUE PRETENDE SER

Segundo portal IG, o canal de notícias Record News, como o foi desde a sua fundação, em 2007, deixará de existir enquanto proposta jornalística. O grupo Record prepara uma "reformulação" completa para sua programação. O IG informa que a "nova" Record News atenderá a uma demanda de mercado, uma vez que o projeto de fazer frente à Globo News não se realizou. Aliás, em fóruns, é possível perceber que o canal fica em terceiro colocado entre os canais de notícias da televisão brasileira. Os telespectadores da emissora devem se preparar para ver igrejas e concessionários ocupando cada vez mais espaços na grade. Uma rede de tapetes (sim, daqueles que compram um carro popular) e outra de farmácias negociam um naco da faixa vespertina. A ideia é partir e repartir com quem pagar mais. A Record News também funcionará como um Viva da Record, com direito a reprises de programas da matriz. O nome será mantido, a exemplo de alguns valores, como o "Jornal da Record News", que tem apresentação de Heródoto Barbeiro, e o "Zapping", de Vera Viel. Nos bastidores, a mudança é pensada para transformar a Record News em "uma segunda tela" da Record, isto é, um canal espelho, com direito ao "resgate" de produtos de sucesso da "emissora mãe". A produção própria não será encerrada, porém, funcionará no limite do possível. Filmes, documentários, enlatados e até dramaturgia farão parte do novo cardápio do canal, que, à boca miúda, vem sendo chamado de Arca de Noé, dada a completa descaracterização do projeto inicial. Algo muito próximo do que já foi antes de 2007, quando o canal ainda se chamava Rede Mulher.
Com as exéquias já declaradas a televisão brasileira ficará com três canais de notícias, a líder Globo News, o canal allnews Bandnews e por último o RIT Notícias, acessado somente para os assinantes da NossaTV.
O grupo segue uma tendência do mercado. Se a proposta inicial não deu certo para que insistir? Partir para mudanças. Apenas lamento que tal mudança signifique descaracterizar por completo uma alternativa interessante. Desde 2014, quando a famosa cota de canais abertos se impôs as operadoras "via satélite" vivenciamos várias descaracterizações de canais, MTV Brasil que virou Ideal; Mix TV que deu lugar a RBI; CNT com a parceria com a Universal TV; Rede Brasil que deixou de lado sua proposta original e agora, a bola da vez é Record News. Se os canais estão optando por novas linhas editorias, não estaria na hora de revisar a cota de obrigatoriedade dos canais abertos? Arrisco-me afirmar que as incompetências de fornecer bons produtos por parte dos canais nanicos apenas reforçam a liderança em absoluto da Rede Globo. A Record News conta com produções interessantes das afilhadas espalhadas pelo Brasil, porque não focar e qualificar o conteúdo News de suas afilhadas e também usar o canal principal como produtor e não apenas como espelho? Aposto que em breve, o fracasso desta nova etapa será o trampolim para uma nova roupagem da Universal TV. Mais telecultos...