domingo, 5 de junho de 2016

IDEIA SOLTA SOBRE O PARTO E A PARESSÍA

Há um momento na história recente que o parto se torna apenas uma coisa hospitalar (...).  Na mão do médico, a mulher preste a dar à luz, é uma paciente incapaz de dizer qualquer coisa sobre si. Toda a verdade sobre o corpo, sobre o estado dela está na mão do médico. Quando se põe o conceito de doula, se repõe o protagonismo do parto na mãe.

Doûlos, do grego, escravo.

A paressía era um direito a conservar a qualquer preço, era um direito de exercer em toda a medida do possível, era uma da das formas de manifestações da existência livre de um cidadão livre, isto é, uma liberdade que dá o direito de exercer seus privilégios no meio dos outros, em relação aos outros e sobre os outros.

Aula de 1º de fevereiro de 1984, segunda hora.
FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014, p. 32