sábado, 26 de março de 2016

ELIMINATÓRIAS QUE ELIMINARAM O BOM FUTEBOL


Como é complicado ver um jogo da seleção brasileira. Tento acompanhar na condição de amante do futebol, apenas isto, porque a versão torcedor está complicado. Mas a complicação não dá direito ao canal com direito de transmissão retirar o áudio com as vaias dos torcedores. Um desserviço ao futebol foi prestado ontem pela Rede Globo. Desde a Copa das Confederações de 2005, quando o quadrado era de fato mágico, não vejo um bom futebol na seleção, apenas tortura. Mas o que na condição de torcedor salta aos olhos é a percepção que o futebol sulamericano é muito ruim. Uma reunião de bons jogadores que em campo não conseguem traduzir a capacidade técnica individual em coletividade. Não há um espetáculo para o time, apenas para jogadas individualizadas. Alguns exemplos que observei na sexta rodada das Eliminatórias.

Alguns exemplos que são claros.

O Equador possui a melhor seleção de seu país que já vi, pelo menos nos últimos trinta anos. A grande parte do elenco atua na Europa. Mas no jogo contra o Paraguai em casa, tomou sufoco o tempo inteiro. Erros de passe e de posicionamento. Como se cada estrela tivesse que resolver tudo sozinho. Semelhante ao Brasil, porém, aqui todos jogam a bola para Neymar Jr resolver sozinho, mesma lógica dos Hermanos. Por que Messi na seleção não é o Messi do Barça? Pelo fato que o time da Barça não veste azul e branco. O Uruguai com Cavani e Suarez é muito time, mas o resto não pensa coletivamente, e por aí vai. Os grandes nomes comentem erros no selecionado que não cometem no clube europeu de atuação...  O melhor conjunto é da lanterna Venezuela, mas aí, o conjunto não transformação da coletividade em resultados.