quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

QUARTA DE FUTEBOL COM ROUBO E POESIA

Fiquei com olhos espichados no jogo da Libertadores, mas a forma como a mídia trata alguns temas é muito irresponsável e me incomoda. Falo do confronto entre a Universidad César Vallejo e São Paulo, acompanhei o jogo por dois canais diferentes, um para cada tempo e pós-jogo via rádio e dias seguintes algumas leituras na mídia escrita. O pré-jogo todos concordavam com as dificuldades do time peruano e a superioridade do time brasileiro. Porém, as análises, dos que pude acompanhar é fragmentada. O fato de poucos conhecerem o futebol do César Vallejo não significa afirmar que o São Paulo irá golear na volta, embora possa fazê-lo. Mas vejo como irresponsabilidade pré-classificar o UCV como timeco. Não vi ninguém recorrer a imprensa peruana, embora alguns possam ter feito, o que é e como joga o time do UCV e o fato possa não ser como o time joga ruim, mas a despreocupação em mostrar como é o time que foi relegada ao segundo plano. A imprensa, nos momentos anteriores ao gol, exageram na comparação com o vexame do Corinthians diante do Tolima com o empate de ontem não faz sentido e um dos motivos é a diferença técnica daquele time do Corinthians com as perspectivas atuaias do SP. Diante de um placar contrário surge uma necessidade de fazer mídia sem uma preocupação com o factual.

GOLS:  19’ Alejandro Hohberg (UCV) e 65’ Jonathan Calleri (SP).


Qual o problema em usar tecnologia no futebol? No jogo válido pela segunda rodada do Catarinão, o trio do apito, Héber Roberto Lopes (Fifa), auxiliado por Nadine Câmara Bastos (Fifa) e Fabiano da Silva erraram demais. Não vi como maldade ou má-intenção, como alguns acusaram nas mídias sociais. Mas, a tecnologia poderia auxiliar a decisão tomada por segundos de reação. Por que não implatar um mecanismo de desafios como em alguns esportes, mesmo que limitado a algumas poucas ações por parte dos técnicos em cada tempo? Algo precisa ser feito. Ontem, o trio interferiu diretamente no jogo. É preciso minimizar os erros, mesmo que a tecnologia ficasse restrita as principais competições.

GOL: 73’ Cleber Santana (Ch).