domingo, 3 de janeiro de 2016

TIMÃO ESTREIA NA COPINHA COM VITÓRIA E FUTEBOL FRACO


A pergunta que me faço a cada edição da Copa Monstrengo é <qual é a função de uma competição de base, revelar jogadores, cadenciar para o esporte ou ser campeão?> Vejo uma supervalorização do título da copinha, quando dever-se-ia ponderar o título junto a revelação de craques para dar suporte ao time principal. Acho muito estranho, o que aconteceu no jogo de hoje. O Corinthians trouxe de volta do time principal jogadores para a competição, aliás, há anos faz isso, e não é o único. E o mais intrigante, Gustavo Tocantins, emprestado ao Bragantino, time pelo qual jogou o Brasileirão B, voltou a casa para jogar a copinha e estreia contra o seu time profissional. Confuso. Penso que deveriam proibir profissionais de disputar competições destinadas a base.

O jogo não foi um primor de futebol.
Bragantino pouco apresentou, mostrou-se intranquilo e tentou explorar o contra-ataque. Por vezes consegui posicionar-se atrás da zaga lenta adversária. Mas pouco produziu. No primeiro tempo chutou pela primeira vez aos 14’ e no segundo tempo aos 57’. Tentou jogar com três jogadores avançados, mas o meio campo deixou o trio dianteiro às cegas. Depois de três anos fora o clube volta a copinha, mas pelo que apresentou hoje, terá muita dificuldade para classificar-se.

Um número de intervalo mostra bem o que foi o jogo. Em escanteios, o primeiro tempo foi em 11x0 a favor do Timão.

O time do Corinthians teve seus atacantes marcando sob pressão a saída de bola, algo parecido com o time de cima. Porém, aos mesmos que marcam, faltou velocidade, objetividade e variação de jogadas para furar o muro do adversário. Vide a forma de cobrar escanteios, não conseguiu traduzir isso em gols, repetindo sempre o mesmo jeito de cobrar, mecânico demais e inteligente de menos. Os dois gols marcados não foram primor. Nenhum deles nasceu de uma jogada objetiva. Ambos, abrolharam de rebotes de área, na base do chutão de várzea. O jogador Gustavo Tocantins parece ser um bom atacante, porém, todos os chutes que tentou foram afoitamente de primeira. O placar poderia ter ser elástico se o atacante tivesse calma e sapiência ao concluir. De uma maneira ou outra, Léo Príncipe, participou dos dois gols. Pareceu-me bom lateral.

CORINTHIANS: Felipe. Léo Príncipe; Vinicius; Leonardo Rodrigues e Guilherme Romão. Maycon; Warian; Léo Jaba (88’ Renan Areias); Matheus Pereira (78’ Claudinho) e Gustavo Tocantins (78’ Pedrinho). Gabriel Vasconcelos.
DT: Osmar Loss

BRAGANTINO: Alysson. Arthur Melo, Marcel, Victor e Antônio. Gustavo Schliemann, Gabriel Tonini e Samuel Fabris. Rafael Rosa (77’ Franklin), Kaio Lucas (64’ Lucas Nathan) e Vinícius (83’ João Victor).
DT: Marcus Paulo Grippi

GOLS: 57’ Gustavo Tocantins e 75’ Maicon.

CARTÕES AMARELO: 59’ Gabriel Tonini e 69’ Samuel Fabris.

JOGO DO GRUPO 11: Internacional (SP) 0x3 Botafogo (PB)