segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

FLAMENGO É CAMPEÃO DA COPINHA COM BOM FUTEBOL

Em grande jogo, time carioca conquista o tri-campenato.

Pela primeira vez vou comentar um jogo que assisti sabendo do resultado. Confesso que achei estranho, pois é possível entender algumas coisas com outros olhos. Não gosto de falar de merecimento no futebol, vence que põe mais bolas no barbante e ponto, logo não há merecimento, há conversão de jogadas em gols. Agora, o Flamengo teve maior volume de jogo, mesmo no primeiro tempo, quando o Corinthians acertou duas conversões em dois chutes, a marcação forte do Flamengo e a organização tática do time surpreende-me positivamente. O Flamengo teve volume de jogo para ser campeão.

Para que serve uma competição de base? Se o Corinthians fosse campeão, seria legal, digo na condição de torcedor, mas isto não é o mais importante na base. A mídia de maneira geral tratou da “décima” como prioridade, mas o divertido é ver o futebol moleque e a descoberta da novos valores. Aos dez minutos Guilherme Vasconcelos (C) dá um chapéu em Cafu (F), isto é o gostoso da base e ver que muitos do que estiveram aí hoje serão os jogadores do amanhã.

Serão bons jogadores se não tivermos bananas com o apito na boca para atrapalhar o desenvolvimento do futebol. Não podemos dizer que a equipe de arbitragem foi má intencionada, porque erraram para ambos os lados. Primeiro, Gabriel Vasconcelos (C) recebeu um Amarelo por comemorar com a torcida, subir no alambrado e tal. O gol é a catarse do futebol, é o gozo máximo, após a penetração da rede é o momento de extravasar, de sentir-se gozado. Não é comemoração de inglês em jogo de carling, é futebol mano. Depois disso os goleiros, durante as cobranças de penalidades tomaram Amarelo por estarem se provocando. PQP! Faz parte da dança do futebol a provocação, a diversão pelo erro do outro. Futebol é um esporte de cavalheiros praticado por selvagens, enquanto que o Rugby é um esporte de selvagens praticado por cavalheiros. E o erro mais grasso fora o gol legítimo invalidado em favor do Flamengo.

Uma pergunta de quem não entende: se o Corinthians melhorou no segundo tempo contra o Cruzeiro com um ataque veloz após a entrada de Claudinho e Vitinho, porque o time começou contra o Flamengo com a mesma formação que não deu certo na semifinal? Estou confuso.

Gols: 17’ Gabriel Vasconcelos (C); 25’ Matheus Pereira (C); 49’ Trindade (F) e 52’ Matheus Sávio (F).
Pênaltis: Corinthians 3x4 Flamengo.