sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

UM AVENTURA PELA LEONARDO MARTENDAL


Outro dia postei no Twitter que trafegar pela Rodovia Leonardo Martendal é igual a jogar River Attack, se você conseguir desviar de todos os obstáculos, no caso buracos, você chega ao final. Completei hoje de manhã os 33 quilômetros sem relaxar, pelo contrário, de maneira muito tensa. Outro dia, voltando do aeroporto, de madrugada, encontrei quatro carros a trocar pneus na beira da pista, sem acostamento e com muitos trechos sem iluminação pública.

Ao partir do sentido Luís Alves para BR 470, os dois primeiros quilômetros foram totalmente refeitos. A maior parte está a espera das sinalização horizontal. Da Vila do Salto até Rio do Peixe muitos buracos, na subida do morro a igreja um alívio, mas por poucos metros. Passado a divisa com Navegantes os buracos voltam. Ao longo da reta que corta Escalvados os buracos foram tampados, mas a pista está muito irregular. Chegar a BR 470 é uma sensação de alívio por não ter parado em nenhum buraco ao longo do caminho.

Esta pista tem um problema crônico. Não que é questão de chuvas ou tapa buracos apenas. É preciso ao longo de toda extensão fazer aquilo que foi feito no acesso ao centro da cidade.