sábado, 12 de dezembro de 2015

TERREMOTO: A FALHA DE SAN ANDREAS


Quantas vezes já me perguntei por qual motivo o filme não é tão emocionante quanto o trailer? Este foi mais um caso. Lembro da época do lançamento, as críticas e as ações de propaganda. Basicamente, um terremoto de escalas imensuráveis atingi a Califórnia. O bombeiro Ray, especializado em resgate de helicóptero, abandona seu posto, junto como a ex-esposa viajam de Los Angeles a San Francisco para salvar a filha Blake.

Às vezes vejo o filme com o tablet ao lado para ajudar na formulação do post, mas não o liguei. Nada por falar. Emoção, bizarrice, história superficial e pouca emoção. Aliás, o momento mais tenso foi a cena de Blake, quase no final da história, em afogamento. Ops, achei algo para pontuar. Esperava mais, como explicações científicas, uma reflexão sobre a ocupação da Califórnia e ficção e um bombeiro egocêntrico… mas nada disso, senão clichês cinematográficos, como o tremular da bandeira americana na Golden Gate parcialmente destruída.