sábado, 19 de dezembro de 2015

PREFEITURA DE MASSARADUNBA OSTENTA A IGNORÂNCIA EM INAUGURAÇÃO DE PONTE



Quando estava no Ensino Fundamental tive um ótimo professor de Geografia e História. Anos mais tarde o reencontrei como par num trabalho diferente e aquele encantamento diminuiu. Porém, de suas aulas, lembro dos discursos inflamados contra a governança que prefere uma população ignorante. Mas sempre pensei que a geração da ignorância estive atrelada exclusivamente a educação, mas não é apenas. Vamos aos fatos.

Em conjunto c0m a Defesa Civil a Prefeitura de Massaranduba nomeou a ponte da Rua Nossa Senhora Aparecida, chamando-a de Ponte dos Imigrantes. Não simpatizei com o nome, mas a questão não é esta. A questão é que na inauguração, que fora feita sem convites, a Prefeitura ao invés de prestar homenagem fazendo memória dos imigrantes lá nomeados, preferiu reunir alguns correligionários com chopp, carne e um bêbado a tocar acordeão. Isto é a ostentação da ignorância. Duvido que os moradores da Rua Nossa Senhora Aparecida conheçam a história dos imigrantes que nomeiam a ponte, o que poderia ser um evento cultural foi transformado num evento de politicalha regado a bebidas. Em Roma havia pão e circo, aqui encontramos apenas o circo. E pensar, que a política do conveniente reina. Ao governante é conveniente alegrar os bobos da corte com música e bebida, aos bobos é conveniente uma obra que não passa de mera obrigação e assim, legislatura após legislatura a conveniência continua.  Enquanto os votos foram feios na base da conveniência e não em projetos não teremos melhora na política, e isto independe de partidos, pessoas, depende do eleitor que o faz, como aqui em Massaranduba, por trocas de macadame, chopp e até mesmo por música. Como diria Legião Urbana, “vamos celebrar com idiotas, cada fevereiro e feriado, tudo que é gratuito e feio, tudo que é normal”.
                                                          
A Rua Nossa Senhora Aparecida foi aberta ligando os moradores da margem direita do Rio Luís Alves a estrada principal no ano de 1993, quando foi ofertada uma ponte provisória para a oficial ser construída nos meses seguintes. Passados, vergonhosamente, 22 anos, e inúmeras enxurradas que deixavam todos isolados, temos a inauguração. Pergunto, ainda há motivos para festejar?