segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

O EL NIÑO E A INDIFERENÇA


O que eu tenho a ver com El Niño? Foi o que escutei de um conhecido outro dia que estava em minha casa no momento do noticiário. Ela foi além, reduziu a ciência da meteorologia a um ato de previsões que sempre erram. Na hora fugi ao debate porque avaliei que valeria a pena o debate e pelo teor das colocações seria demasiadamente grosseiro.

Depois de dois dias, com 50% da chuva concentrada para o mês, reencontrei o sujeitinho. E diante de um rio cheio por conta da enxurrada e com o pátio cheio de galhos mostrei a ele, através de um longo monólogo, que sofremos na pele o aquecimento das águas do Pacífico mais do que imaginamos. Além das cheias e da água, a cena da foto se repete por vários pontos da cidade, barreira, árvores e uma aventura dirigir.

Se a previsão de janeiro se confirmar, com chuvas em média 20% que o normal, as encostas encharcadas serão um problema sério. Então, não há mais espaço para a indiferença.