sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

ENFIM, FÉRIAS

Nas palavras de Marx: “No estranhamento do objeto do trabalho só se resume o estranhamento, a alienação na atividade mesma do trabalho. O que significa dizer que, sob o capitalismo, o trabalhador repudia o trabalho, não se satisfaz, mas se degrada, não se reconhece, mas se nega. Daí que o trabalhador só se sinta junto a si fora do trabalho e fora de si no trabalho. Sente-se em casa quando não trabalhar e quando trabalha não se sente em casa. O seu trabalho não é, portanto, voluntário, mas compulsório, trabalho forçado. Por conseguinte, não é satisfação de uma necessidade, mas somente um meio para satisfazer necessidades fora dele”.

Tive o prazer desta leitura no café da tarde, bem rapidinho e com comidas saudáveis, mas bem acompanhado, sentando com uma amiga querida. Nada melhor do que uma boa reflexão para começar as férias, um pequeno parágrafo para nos fazer refletir sobre o que deixamos que o trabalho faz conosco.