domingo, 22 de março de 2015

UM JOGO DIFERENTE PARA PENSAR NOSSAS PRAÇAS FUTEBOLÍSTICAS

Na parada do domingo para o futebol resolvi acompanhar um jogo diferente: o clássico do campeonato turco. Uma forma de desintoxicação pelo futebol curtinho que são apresentados nos estados a fora do Brasil. Mas quero aproveitar o fato para fazer alguns comentários críticos para aqueles que insistem afirmar que somos o país do futebol porque estamos muito longe disso.

Estádio lotado em Istambul para o jogo que envolve um time da parte europeia e o outro da parte asiática da mesma cidade com torcida fanática e muito participativa. Ao mesmo tempo que vemos um estádio assim para uma rodada do meio do campeonato na Inglaterra a final de uma copa doméstica que reúne clubes da terceira e quarta divisões reuniram no estádio mais de setenta mil pessoas. Enquanto aqui, o maior público tem menos da metade do público do clássico turco, quem dirá do inglês. Não só no estádio, mas no campo também: quando foi a última grande transferência do futebol brasileiro? Não produzimos craques, não exportamos e não despontamos, logo nem estádio lotamos. Outra crítica que faço, agora aos canais ESPN (que sou fã). O canal possui direito de campeonatos “alternativos” mas mostram parcialmente, exemplo do Turcão. A transmissão é restrita aos clássicos, mas poder-se-ia imitar o BandSports de outrora e transmitir um jogo por rodada, será difícil?

O jogo começou com uma substituição. O lateral direito do Fernebahçe sentiu um desconforto no aquecimento e já fora substituído por Topuz antes do jogo começar em si. Já no início do jogo estranha-me a intensidade do contato físico. Estranhar não deve ser o verbo correto, mas vou usá-lo, porque só vejo aqui no Brasil qualquer toque de bonecas ser falta. Se todos fazem diferente será que nós somos os certos ao aceitar qualquer arranhão de batom falta?  Os vinte primeiros minutos de jogo mostraram um domínio de bola considerável pelo Fernebahçe. Pouca pontaria, mas aquela jogada resultada por bolas longas. Um time fechado, que busca em lançamentos dispor seus atacantes na cara do adversário. Neste esquema que muito apoia são os laterais, que frequentemente descem para deixar a linha de volantes protegendo a zaga. Enquanto isso o Besiktas insiste em bolas cruzadas para o Demba Ba, mas faltou pontaria. Mas em si um jogo muito parado com toque de bolas centradas pelos médios. Para romper a monotonia do primeiro tempo Emenike destempera-se pela vaia das torcidas, mas a torcida do time da casa parece ignorar o fato que durante o jogo inteiro ele ficara marcado por dois zagueiros. E a partir disso, discussão, confusão, xingamentos e aquela coisa que não caberia ao futebol profissional. Quando os ânimos se acalmaram, Sow entra em campo no lugar de Meirelles machucado e quase nada de relevante no resto do primeiro tempo.

Segundo tempo começou diferente. A entrada de Diego por conta de contusão trouxe maior movimentação ao meio-campo do time da casa. O que faltou ao Fernebahçe fora aquela jogada mais racional na grande área e a insistência de bolas longas adotadas antes do intervalo ficara no vestiário. Em contrapartida criou-se uma avenida que Besiktas poderia ter explorado. Chegou mais no segundo tempo que no primeiro, mas sem muita eficácia. Assim como Emenike no primeiro tempo, no segundo, logo após entrada de Özyakup perderam uma chance de gol aberto. O melhor jogador da peleja fora Diego. Antes do jogo era improvável sua entrada, mas por contusão foi chamado, termina o aquecimento dentro da cancha. Mas este deu um toque de bola e tornou o jogo mais dinâmico, diferente do primeiro tempo. E no final, quando o empate morto era esperado Sow acerta um bom chute.

FICHA DE JOGO

Fernebahçe: Demirel. Gohjan (0’ Topuz), Bruno Alves, Egemen, Caner. Emre, Topal, Raul Meirelles (30’ Sow) e Alper. Kuyt (49’ Diego) e Emenike (45’ Webó).

Besiktas: Tolga Zengín (44’ Günay). Serdar, Necip, Ersan e Ramón. Tolgay (71’ Sahan), Veli, Hutchnson e José Sosa (79’ Özyakup). Tore e Demba Ba.

Cartão Amarelo: 58’ Veli; 94’ Diego.

Gol: 91’ Sow.

Classificação:  1 Galatassaray 55; 2 Besiktas 54; 3 Fernebahçe 53 (...)