quinta-feira, 12 de junho de 2014

E A COPA COMEÇOU BRASIL VENCE COM JUIZ LADRÃO

Brasil 3x1 Croácia
1ª Fase – Grupo A
Copa do Mundo 14

Tenho o projeto de ver todos os jogos desta Copa. Na Copa passada alguns tive que deixar de lado por conta do ajustamento de um novo desafio profissional que assumia na fase quartas-de-finais. No Japão-Coréia 02 eu fiz a loucura de acompanhar todos os jogos da madrugada, exceto os que acontecia na terça de manhã. Na França 98 foram apenas as semifinais e finais vistas e a vitória contra o Chile pelas oitavas. A mágica de acompanhar todos será possível a tecnologia do DVR.

E a copa começou. Alguns pontos para se destacar na vitória do Brasil. A entrada: Thiago Silva chorando e hino à capela. Era o grito de um povo, um pela conquista da vida, outro exigindo mais que futebol. O hino foi além… era o grito das ruas dentro do estádio. Os jogadores não cantava, urravam. O que foi aquilo? Estar no estádio não é estar de acordo com o baile da Fifa, nem feliz com a CBF, acompanhar o futebol e gritar daquele jeito é acreditar que algo ainda pode ser feito. Houve vaias e não foram para a seleção.

Houve também futebol, e como houve. Mas não foi de boa qualidade. O placar não retrata a chatice que foi o jogo. A copa começa com um gol contra num erro de peladas. Neymar quer carregar sozinho. Este carregar fragilizou o meio campo fazendo o centro avante ser apenas avante, mas sem bola. Nesta chateação se acha o primeiro gol. Num erro de arbitragem se acha um pênalti e a partir de então tudo mudou. O time croata perdeu-se em campo e o time da CBF tomou conta das ações. Felipão ia a loucura no banco quando formava-se uma linha de quatro no ataque, deixando ninguém no meio e os volantes recuando para a zaga. Durante todo o segundo tempo o time amarelo roubou apenas 6 bolas no campo de ataque, este número mostra quão inoperante foi a meia cancha. Os últimos dez minutos de jogo evidenciaram um Felipão retranqueiro. Três pontos no bolso, uma estreia ruim, um placar satisfatório. Nas últimas três copas o time da CBF chegou a terceira fase classificado. Será que conseguirá agora também?

Por regramento da FIFA o árbitro não pode ser do continente dos países envolvidos. Dentre as opções buscou-se um árbitro profissional. Mas ele errou. Discordo desta regra de “imparcialidade”. O jogo foi tenso, deveria haver um árbitro acostumado com este tipo de tensão e não um apitante da J-League. Abre o olho japinha!