quarta-feira, 30 de abril de 2014

ESQUENTA: O PROGRAMA QUE ESFRIA A INTELIGÊNCIA

Confesso não acompanhar o programa Esquenta por conta da mediocridade e dos discursos falsos que são apresentados. Mas não quero falar do programa, mas da crítica infundada de sua apresentadora a luz do blog deFelipe Moura da Veja.com. O blogueiro da Veja levanta em consideração o comportamento associativo de pessoas que apoiam o tráfico e dos que sustenta aquela atividade. Só há traficante porque existe cliente. Só há proteção porque há conivência. Sem grandes hipocrisias. Culpar um policial e o sistema é uma atitude fácil que tomamos todos os dias, mas ir além disto parece algo impossível.

A morte de DG não é uma questão racial. É uma questão de segurança pública. É questão de ação policial e de escolhas. Os demagogos de plantão optam pelo discurso das minorias, mas antes dele chegar é preciso instalar um discurso de valores e da moralidade. Associar-se a criminosos não justifica a morte, mas justifica o risco de uma escolha imoral. É muito fácil realizar o discurso do preto coitado vitimado pelo sistema, mas esquecem que morrem mais PMs em serviço do que negros/pardos neste país. A chance de um policial de morrer em serviço é de 100,83% superior a um negro/pardo morrer segundo o IPEA. É muito fácil conduzir uma plateia de alienados como massa de manobra a vaiar a polícia, mas questionar sobre nossos próprios atos e lutar por uma polícia mais preparada e mais digna com condições de trabalho ninguém o faz.

Sujeitinhos que promovem o ódio a instituições não são dignos de audiência. Não estou falando para negar a voz diante dos problemas das instituições, mas é preciso conhecer para criticar e criticar para melhorar. Não é com uma manifestação tola que conseguir-se-á mudar. Não é com ódio que haverá de conseguir. Não é com um discurso falso de negritude que vai resolver os problemas. Tudo não passou de pura demagogia desprovida de inteligência.