quinta-feira, 2 de maio de 2013

SENADO BRASILEIRO ATENTA CONTRA A DEMOCRACIA

Fonte: Blog do Cariri

Não consigo ver o que o senado tem feito contra o judiciário senão como um atentado – atentado violento à democracia. Não tem cabimento um projeto do legislativo em limitar os poderes do judiciário. A maturidade da democracia brasileira pós barbárie do militarismo está justamente no equilíbrio entre as forças. O que o projeto do napoleônico de Nazareno Fontaneles (PT/PI) pretende é reduzir ação daqueles que foram preparados academicamente para trabalhar com questões de direito e dar poderes a loucos que são eleitos por uma massa de manobra. É a volta da ditadura disfarça por senadores que atendem a interesses de outrem. Se esta loucura estivesse aprovada o julgamento do mensalão teria acontecido? Os petistas também criticaram a liminar de Mendes que suspendeu a votação no Senado do projeto que cria barreiras para o surgimento de novas legendas. O Gilmar Mendes está tentando mostrar é a necessidade urgente de uma reforma política, prometida nas campanhas de Lula e Dilma. No começo do ano tínhamos 31 partidos. Por que o senado não mexe nisto? Qual o interesse que existe em limitar a democracia e liberarar a prostituição partidária? Volto a questionar, quem é o senado brasileiro que julga ter capacidade para dizer que decisões do judiciário sobre súmulas vinculantes e leis inconstitucionais possam ser ratificadas pelo Congresso? E tão patético e evidente que este político do PT está em campanha de retaliação contra as críticas estruturais que o julgamento do mensalão e outros questionamentos foram abertos pelo STF. A fanfarrice é tão grande ao ponto de reduzir o poder judiciário a um “órgão técnico para aplicar as leis”, nas palavras do senador petista. Que é isso senão um atentado à democracia. Pelo menos neste ambiente de asneiras houve uma sensatez na parte do vice-presidente. E por que Dilma está calada?