quinta-feira, 16 de maio de 2013

O SUCESSO DO FUTEBOL ALEMÃO

Por que o futebol alemão faz tanto sucesso? Comecei a acompanhar o futebol alemão, de maneira nada comprometida ainda quando recebia apenas o sinal do ESPORTE INTERATIVO. Depois com a televisão paga tive um contato melhor com ele através dos outros canais que o transmitiram e comentaram. Mas a quantidade de pessoas nos estádios faz pensar sobre muitas coisas que vão para além da bola. E com uma final de Champions envolvendo equipes germânicas esta discussão se torna mais evidente.


Algumas coisas de sucesso lá fora devem ser copiadas urgentemente em nosso futebol. A primeira delas, venho defendendo já faz tempo, a profissionalização da gestão do futebol. Não cabe mais haver dirigentes torcedores. É preciso profissionalizar as negocições. Este foi um dos pontos de sucesso germânico. Outro aspecto fundamental é o repasse dos direitos de transmissão. Na Alemanha há uma distribuição igualitaria em partes e na outra de acordo com a colocação no campeonato, algo parecido nos esportes americanos. Enquanto nós aqui copiamos o modelo espanhol, onde os clubes de maior torcida levam a maior fatia. Isto poderá causar uma polarização, algo diferente do visto do futebol alemão, embora o Bayern consiga relativo sucesso. Por lá o incentivo das indústras locais em patrocínio é gingante, por cá, estatais e multinacionais fazem a festa (momento Quincas Borba: por que não temos uma marca nacional na camisa da seleção???isso seria nacionalismo senhor das medalhas!). A segunda divisão da alemã tem uma média de público maior que a média do brasileirão (um dos mais equilibrados do mundo! Báh). Os estádios não são apenas arenas de futebol, mas oferecem serviço de entretenimento adequado ao público consumidor. Torcedor é consumidor. Ele deve ser visto como cliente e não tratado em banheiros imundos com arquibancadas de concreto ou pé num alambrado. Detalhe, para ver um jogo do Borussia pela Bundesliga o torcedor vai desembolsar 11 euros, já por cá... e já que estamos falando, o orçamento dos clubes alemães são controlados, um clube com dívida é rebaixado. Controle para liberdade de gastos.


O Brasil não é o país do futebol. Se fossemos nosso futebol seria referência tática, técnica e gestora.