segunda-feira, 13 de maio de 2013

E ELA CHEGOU NA EUROPA


COMENTÁRIO DO GP DA CATALUNHA DE FÓRMULA 1

O GP de Barcelona trouxe algumas perspectivas diferentes daquele grande prêmio do ano passado. Vou comentá-lo junto com aquilo que vejo na telinha. Não entendo a linha da Rede Globo. Como é possível deixar de fora a sabedoria de Reginaldo Leme. Seus comentários fazem falta. Por melhor que possa ser a desenvoltura de Barrichello ao grid ou por mais técnica que possa ser a postura de Burti, faltou à transmissão a lógica da sabedoria histórica. Pena que há na platinada uma despreocupação com a essência jornalista priorizando ex-atletas. Esporte não é apenas entretenimento e deve ser visto como fato. Não estou a dizer que ex-atletas não sejam competentes, porém, os mais de quarenta anos de serviços prestados por Reginaldo Leme são indispensáveis. No mínimo classifica-se tal postura como um desrespeito ao público que acompanha a categoria. Ao público e não aos torcedores.

Não entendo e já escrevi isto outras vezes. Que corrida Galvão Bueno deve assistir? Mais parece um animador de picadeiro. Não falo apenas dele mas de outros narrados da TV aberta. Vou tomar como exemplo o ufanismo que ele cria e frustra os espectadores menos atentos. Por exemplo, na volta 34 a diferença de Massa para Raikkonen vinha diminuindo vertiginosamente, enquanto que para o Alonso que estava em primeiro naquela altura aumentara. O problema não estava na performance do finlandês mas sim do mau momento de Massa. O que o brasileiro ganhara nas voltas anteriores perdera desta, mas o comentário/narração de Bueno não via este detalhe e planeja ver a defesa de Massa. Ilusório ou uma tentativa de prender o torcedor? Claro que no final ele chegara ao pódio mas é preciso estar atento aos números e não apenas ao picadeiro.


Gutieres da Sauber permaneceu durante três voltas na liderança e nada de ser mostrado. Ninguém acreditou que ele venceria e isto é lógico, mas ele teve seus méritos de estar lá na ponteira e a TV geradora simplesmente o ignorou. E como ficam os patrocinadores? Ninguém viu o fato.


Parece-me que neste ano os pneus serão a tônica na competição. Se fala apenas deles. Penso que deveríamos igualar os chassis, os motores, os monopostos, aceitar novos fabricantes e instituir um campeonato de marcas de pneus em vez de construtores. A Mercedes agradecerá. Porém, Rosberg aguentou firme e forte 13 das 66 voltas. E dizem que foi os pneus. Pela primeira vez da história um quinto colocado da largada na Catalunha vencera. Antes disso 21 vezes vieram da primeira fila e uma vez o velho em bom Schumi da terceira posição. Alias, do pódio ninguém estava na primeira fila. E viva os pneus que se desmancham mais que neve ao sol. Para ser perfeito só falta a FIA parar com as frescuras de punir tudo e todos. Deveriam receber consultoria da NASCAR.