domingo, 10 de junho de 2012

Relato de um domingo de chuva

A revista Espaço Acadêmico publica um artigo comentando que a ação dos internautas é semelhante ao jogar garrafas com mensagens ao mar. Confesso que me senti como um poluidor do espaço virtual. Foram cinco segundos de culpa e uma certeza: este espaço possui oito anos de linha tortas e muitas garrafas jogadas nos mais diversos assuntos. Hoje tortearei as linhas falando de esporte, portanto, mais uma garrafa ao mar.

Um domingo de garoa e gelado com muito esporte na TV teve uma combinação interessante: meu edredom e a televisão. Comecei o dia acompanhado um VT da estreia do Ronaldinho Gaúcho pelo SPORTV2. Que jogo sonolento. Toque de bola sem muita emoção, o ataque do Palmeiras é desorganizado e o meio campo do então líder do campeonato brasileiro inoperante. Mais inoperante que isto fora ver os momentos finais de Jamaica VS Guatemala na ESPN BRASIL. Acho muito válido a ideia de partidas alternativas nos canais esportivos, mas os cinco minutos que vi deste jogo me pareceram uma eternidade. Uma grande dificuldade em sincronizar corrida, bola, chute e domínio da pelota. Tudo isso ainda no café da manhã. Para o almoço um show a parte, Bernardinho no ESPORTE INTERATIVO. O jogo é secundário diante de tantas caras e caretas do treinador (ou seria motivador?) da seleção brasileira de vôlei. Somando a ironia do narrador do canal aberto com os trejeitos do treineiro a diversão fora garantida, e sim, o Brasil finalmente venceu a Polônia.

Terminada a brincadeira vem a hora do jogo sério: Espanha x Itália pelo SPORTV com algumas espiadas em Roland Garros na ESPN. Interessante o modo da Roja jogar. O time espanhol intensifica o toque de bola e sua posse. Mas ao mesmo tempo deixa espaços para o adversário criar e deixa a defesa como uma barreira para romper o avanço do adversário. A fórmula para vencer os espanhóis parece ser muita paciência. O esquema da Espanha preenche o meio campo: 4-5-1. Se o adversário não se deixar levar pelo jogo a vitória parece ser possível. Paciência e redução dos espaços. Em certo grau, lembra um pouco a maneira do Barcelona FC de jogar. O legal da Euro2012 é tentar pronunciar o nome das cidades sedes! Esqueceram de colocar vogais naquele amontoado de consoantes.

A medida que a chuva intensifica a ideia de passar o resto do dia na frente da TV aumenta. Chega então a hora da F1 e ver um pouco de GLOBO. Luís Roberto narrando a F1 possui uma tocada diferente do titular da Globo. Ele tem uma vontade de explicar tintim por tintim e ainda entra nos detalhes. Fazer isso no Canadá é mais complicado. Lá os detalhes são apenas detalhes, o imprevisível dá um toque ainda maior pelas características de um parque transformado em pista numa ilha artificial. Eu torço para brasileiro até em campeonato de quilica mas o desempenho de Massa e de Bruno Senna nesta temporada é complicado e não favorece para criar um hábito de torcedores. Ambos estão perdendo, neste momento do campeonato, para seus companheiros de equipe, e perdendo feio. Como diria o poeta, treino é treino e vice-versa, a Mercedes vinha andando bem com os dois carros nos treinos, já na corrida não mostrou a mesma constância dos dias anteriores. Em tempos de DSR e KERS a grande diferença neste GP são os tempos feitos antes da entrada ao box a moda Schumi. O melhor da prova foi a declaração de Villeneuve para a Globo: a corrida está chata. O que tenha contrariado a ideia do canadense campeão fora o final de Hamilton, sétimo vencedor em sete etapas, ou melhor, a queda de rendimento dos pneus de Alonso, que por cinco voltas caiu pelas tabelas.

Enfim, com mais chuva vou postar este longo devaneio garrafal e voltar para o edredom.