domingo, 27 de maio de 2012

Em dia de pensar os dez mandamentos


Guardarás domingo e dias de festa. Eis o terceiro mandamento da Lei de Deus. Pois bem, em dia de muita velocidade eu o guardo, não da maneira como muitos gostariam que fosse guardado, mas em dia de Mônaco, Indianápolis e Charlotte, há apenas uma placa: “eu não estou”.

Sou um crítico da forma como Galvão tem narrado o esporte. Estou com planos reais para uma nova possibilidade de acompanhar as imagens da F1, mas hoje o fantástico profeta do automobilismo acertou. Na barbeiragem de Grosjean alguns pilotos usaram uma passagem alternativa, 10 voltas mais tarde vem o aviso da profecia. Os pilotos que passaram foram do traçado serão investigados. Mas há como passar sem sem cortar a curva. Mais algumas voltas, na n. 12 houve o decreto de não punição.

No começo da corrida Massa possuía um ritmo mais forte que o de Alonso. A transmissão cornetara a ordem de equipe. Mas é óbvio que não haveria uma ordem de inversão de posição. Afinal na frente anda um bicampeão quase líder do campeonato e outro que está somente em 17º na classificação. Para o mundo do esporte onde o grande patrocinador da equipe é uma marca espanhola não haveria esta ordem nem aqui nem nas ruas de Monte Carlo. Mas isso não durou muito, logo na volta 18 Alonso começou a andar a moda Alonso. O ufanismo de ver um brasileiro na frente parou. Eu continuou a torcer por Massa, mas é preciso olhar os fatos e não criar falsas expectativas, ou seria um “falso testemunho”? Eis mais um mandamento.

Não mentir deveria estar no lugar de não desejar a mulher do próximo. Às 9h38, expectativa de chuva em até quatro minutos. 9h41 Rosberg faz a troca, será que a Mercedes está jogando a corrida fora? 9h42 a expectativa de chuva é a maior torcida, porque na pista não há nada de emocionante. 9h48 a chuva deve chegar em 5 minutos, eis uma nova previsão. O serviço meteorológico das equipes da F1 já não é mais a mesma. E nesta altura a briga global de Alonso e Massa já não mais existe. Agora a briga é a perca de tempo em box, haja coração amigo! Passara dez dos cinco minutos e cada a chuva? Já deve ter índio dentro da transmissão global fazendo a dança da chuva (cadê a câmera exclusiva da Globo para mostrar?) para ter emoção. 10h09, a chuva não vem mais. Dai o narrador solta “quando a chuva vem, amigo, ela vem!”. E não é que alguns pingos vieram, mas apenas em 10h32. E ela veio. Na volta 70 os seis primeiros colocados engarrafaram. Será que a 290 km/h ninguém vai escapar? Logo, logo vai aparecer algum maluco sugerindo que fique alguém com uma mangueira molhando a pista porque isto dá mais emoção que o DRS. 10h44 a garoinha já parou e a chuva que vinha, desistiu de vir, apareceu e foi embora sem chegar.

E agora alguns pensamentos soltos:

O legal da transmissão da Globo são as câmeras exclusivas, o pré-prova, a visão da equipe de transmissão e os outros penduricalhos que aconteceram hoje. Que toda prova daqui para frente seja assim.

Na volta 45 é mostrada uma das melhores cenas, as duas rodas do carro de Hamilton no ar. O cavalo rampante é prateado e inglês. Assim que achar a foto pela net quero linká-la por aqui.

Em 63 anos é a primeira vez que as seis primeiras corridas do ano possuem seis vencedores diferentes: Button; Alonso; Rosberg; Vettel; Maldonado e agora Webber. O australiano chega a vitória n. 8 com 31 pódios, 12 voltas mais rápidas, 9 poles em 183 Gps. Começou sua carreira em 2002 guiando uma Minardi com o 5º lugar na Austrália e dividindo a equipe com o cortador de grama Alex Yoong.

Uma opção para ver a F1 pode ser o satélite Estrela do Sul 2 (EDS 63º W), banda Ku, Chilevisión. O canal chileno pode ser sintonizado em duas frequências diferentes. Uma delas é a 11600V 13745 7/8 no Mux VTR, se tudo der certo no Canadá quer ver por aqui.