quinta-feira, 7 de julho de 2011

Eu quero, mas o governo não deixa


Eu quero voltar para sala de aula. Até cheguei a combinar com a minha escola que voltaria às atividades na próxima segunda. Fui dormir pensando de que forma retomaria os estudos com meus estudantes, mas ao abrir o jornal pela manhã uma surpresa. Eu quero voltar para sala de aula, mas as ações do governador me fazem voltar atrás. Como entrar numa sala sem ter a certeza do respeito pelo salário. Não sou vocacionado da educação, lá não é meu sacerdócio, sou um profissional contratado que quer apenas respeito com o humano e com o salário e que as leis sejam cumpridas. Sem respeito, senhor governador, não há aulas!
Diário Catarinense em 7 de julho: Nesta quinta-feira, o procurador Nelson Serpa protocolou, em Brasília, o pedido de suspensão da decisão judicial, que determinou a devolução dos descontos. Caso seja negado, não se sabe como serão rodados os salários, já que a medida provisória que alterava a remuneração dos professores, sobre a qual foram feitos os descontos, foi rejeitada pela Assembleia Legislativa.
Site do SINTE-SC em 6 de julho: A greve continua. Decisão foi tomada hoje, em assembleia estadual