sábado, 21 de maio de 2011

Quem está prejudicado pela greve?

Pessoas, nestes dias onde o magistério da rede estadual catarinense luta, deixarei neste espaço algumas notícias a respeito deste movimento que busca única e exclusivamente o melhor para educação. Os profissionais aqui envolvidos estão apenas brigando por algo que a lei permite.

NOTA DE APOIO DA APRASC: Nota de apoio aos Professores da rede estadual. Praças da PM e do Bombeiro declaram apoio aos Professores. A nota de apoio da APRASC foi aprovada pelos praças na assembléia geral do dia 13 de maio. Confira o texto na íntegra:

A Associação de Praças de Santa Catarina - Aprasc - vem a público manifestar apoio incondicional ao movimento pelo reajuste salarial dos professores.


 

O Jornal Diário Catarinense do grupo RBS lança a seguinte manchete: 114 mil joinvilenses devem ser prejudicados. Prejudicados? Prejudicada é a classe que tem que ler tamanha manchete. Prejudicada é a população que é submetida a um jornalismo barato e sensacionalista. Prejudicada é a classe que está nas ruas brigando por algo que já foi aprovado pelo STF e o governo do estado está se recusando a pagar. Os alunos não serão prejudicados, jamais, antes de a greve começar já havia o consenso sobre a obrigatoriedade da reposição das aulas.


 

Prejudicado? Veja este parágrafo do SINTE-SC para o jornal online ND: A categoria pressiona o governador Raimundo Colombo para a implantação do piso salarial nacional no Estado, aprovado como lei pelo Supremo Tribunal Federal em 2009. Os professores catarinenses recebem mensalmente hoje R$ 609,46. O piso nacional definido pelo Mec (Ministério da Educação) é de R$ 1.187,08, mas o Sinte-SC reivindica o piso com reajuste retroativo aos dois anos, que chega a R$ 1.597,87.