terça-feira, 26 de abril de 2011

Onde estão as perguntas?

Domingo refletia com uma amiga, por que o ser humano busca tanto respostas para a vida se ele ainda não sabe quais são as grandes perguntas? Quais são? O que nos move? O que nos caracteriza? Quem somos? Passamos muito tempo buscando respostas para tantas coisas que são periféricas e esquecemos daquilo que verdadeiramente é essencial. Uma vida periférica deixa de ser vivida e se assume apenas como uma vida passada num dado momento no tempo e no espaço. Uma vida vivida é marcada por conquistas de si mesmo que trazem uma plena satisfação no encontro do "eu" diante do "outro". Os outros não são necessariamente os causadores do meu sofrimento, mas segundo Sartre, os outros são meu inverno. E qual era mesmo a pergunta?