sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Legião Urbana

Há tempos que não dedilhava em meu violão. Na véspera da festa cristã do Natal, me dei um tempo para ouvir e tocar legião. Pela minha surpresa também na GloboNews acompanhei um documentário sobre a banda e Renato. Tocar ou ouvir Legião não é apenas relembrar momentos agradáveis da adolescência, mas é um momento de trazer presente a poesia e a beleza das palavras que fazem músicas da década de oitenta serem ainda atuais. Porém, não quero acrescentar palavras senão partilhar uma das letras que me levei ao violão hoje:

Não sou escravo de ninguém / Ninguém, senhor do meu domínio / Sei o que devo defender / E, por valor eu tenho / E temo o que agora se desfaz. / Viajamos sete léguas / Por entre abismos e florestas / Por Deus nunca me vi tão só / É a própria fé o que destrói / Estes são dias desleais. / Eu sou metal, raio, relâmpago e trovão / Eu sou metal, eu sou o ouro em seu brasão / Eu sou metal, me sabe o sopro do dragão. / Reconheço meu pesar / Quando tudo é traição, / O que venho encontrar / É a virtude em outras mãos. / Minha terra é a terra que é minha / E sempre será / Minha terra tem a lua, tem estrelas / E sempre terá (...) - Tudo passa, tudo passará... / E nossa história não estará pelo avesso / Assim, sem final feliz. / Teremos coisas bonitas pra contar. / E até lá, vamos viver / Temos muito ainda por fazer / Não olhe pra trás /Apenas começamos. / O mundo começa agora / Apenas começamos.

Download da música