sábado, 23 de outubro de 2010

A segunda onda: eleições 2010


O primeiro fenômeno político de interesse sociológico na Eleição de 2010 foi a emergência da chamada Onda Vermelha. Esta primeira onda compreende o apoio a candidatura de Dilma vinda do nordeste em direção ao sul. A onda vermelha provocou uma profunda comoção na imprensa de São Paulo e do Rio de Janeiro. Afinal, frequentemente, as tendências se deslocam do centro para periferia, mas o inusitado foi o movimento da periferia para o centro. Este tsunami político provocou dois impactos mais evidentes: 1) representou a inversão das intenções de voto entre Dilma e Serra; 2) sinalizou a perda – momentânea é verdade- da capacidade de influência dos meios tradicionais de comunicação. O desespero gerou uma reação imediata que, por um lado, desencadeou um "denuncismo lacerdista" e, por outro, um inconformismo da classe média. Quem emergiu vencedora deste contexto foi uma Segunda Onda eleitoral representada por Marina-PV vinda da internet. Neste contexto, cabe perguntar: qual o sentido e significado da Segunda Onda para a política brasileira? Para responder esta questão necessitamos situar a Segunda Onda no contexto político e ideológico que caracteriza a emergência da problemática ambiental, e o papel que os partidos verdes vêm desempenhando na esfera política, para em seguida extrair as conseqüências deste processo e entender o que representa a Segunda Onda para o processo Eleitoral de 2010.

1 – O PV e a questão ambiental
A formação dos Partidos Verdes está associada ao surgimento do Movimento Ambientalista Moderno durante a década de sessenta. Neste período dissemina-se junto a opinião pública a percepção dos riscos associados a reprodução do padrão predominante de desenvolvimento socioeconômico. Este padrão desenvolvimento desencadeou duas crises que se encontram interligadas: a) crise ambiental (sobrecarga da capacidade assimilativa da natureza); b) crise ecológica (sobrecarga da capacidade regenerativada da natureza). Assim, progressivamente questões como, por exemplo, a destruição das florestas, a poluição atmosférica, a contaminação da cadeia alimentar, os riscos da energia atômica, etc. tornam-se objeto de debate público e a formação dos Partidos Verde representa, neste período, a estratégia de institucionalização política da problemática ambiental. Neste contexto sociopolítico os Partidos Verdes em geral, o Die Grünen em particular, reúnem ambientalistas, pacifistas e demais ativistas dos chamados "novos movimentos sociais". Os Partidos Verdes fundamentam-se naquilo que ficou conhecido como "segunda contradição do capitalismo". A primeira crise compreenderia uma crise distributiva: a concentração da riqueza em torno a poucas pessoas representaria uma crise social baseada na oposição clássica dos movimentos trabalhista e partidos operários entre capital e trabalho; já a segunda crise representa a crise ambiental: diz respeito não somente aos limites sociais de expansão do capitalismo, mas aos seus limites físicos pois os recursos naturais seriam finitos. Portanto, os Partidos Verdes representam uma crítica a agenda dos partidos tradicionais, mas também a forma tradicional de fazer política. Mais precisamente, os Partidos Verdes representavam uma crítica radical de esquerda a sociedade capitalista, defendendo, portanto, "valores pósmaterialistas". Com o passar do tempo a problemática ambiental foi sendo progressivamente incorporada na agenda de todos os partidos e institucionalizada politicamente. Com isso observa-se uma transformação das formas de confrontação da questão ambiental. Transita-se de um "bi-setorialismo conservacionista" centrado na relação sociedade-estado, no qual cabia aos Partidos Verdes o papel de denunciar os riscos da questão ambiental e pressionar o estado para implementação de políticas de confrontação, para um "multisetorialismo sustentabilista" no qual a questão ambiental torna-se objeto de interesse de diversos setores como, por exemplo, o setor empresarial interessado na otimização de custos, setor tecnocientífico visando testar novas técnicas, etc. A conseqüência mais evidente deste processo foi o esvaziamento da agenda política dos Partidos Verdes e, consequentemente, uma perda da radicalidade e deslocamento para o centro, e muitas para a direita afastando-se de questões progressistas como, por exemplo, o antimilitarismo, desobediencia civil, discrinalização das drogas, etc.

2 – As bases sociais do PV no Brasil ou as metamorfoses de Gabeira
No Brasil o debate sobre a problemática ambiental não foi institucionalizado politicamente por meio da criação de um partido político devido ao caráter autoritário do regime político do período. As restrições ambientais eram conflitantes com as estratégias "desenvolvimentistas" patrocinadas pelo Regime Militar e, assim, diferente do que ocorreu nos demais países ocidentais no Brasil a mobilização ambiental ficou confinada a um reduzido conjunto de pequenos grupos da sociedade civil e de pessoas que dentro da estrutura governamental que acreditavam na importância de proteger o meio ambiente. Neste sentido, o debate sobre a problemática ambiental se restringiu aos setores mais esclarecidos da sociedade compostos por pessoas vinculadas ao universo acadêmico, setores profissionais e demais ativistas, como assinala a luta da AGAPAN contra o uso de agrotóxicos. Somente a partir da segunda metade da década de setenta, num contexto marcado pelo processo de abertura política e pela influencia da realização da Primeira Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente é que o debate sobre o meio ambiente dissemina-se no Brasil e passa a entrar na agenda política do estado. Por isso, quando é fundado o Partido Verde no Brasil em 1986 o movimento ambientalista já encontra-se relativamente de disseminado pela sociedade, o que provoca um processo de profissionalização da atuação ambiental em ONGs de diversos formatos. É por isso que na década de 80 o ambientalismo brasileiro se caracterizada, principalmente, por iniciativas que buscam aprimorar os instrumentos legais de gestão ambiental, e pela a escolha de parcela dos ambientalistas por enveredar pelo campo político institucional e na busca das ONGs ambientalistas em se profissionalizar e de se aproximar das ONGs sociais. O resultado político deste processo foi que o Partido Verde brasileiro nunca consegui se tornar o porta voz legitimo da questão ambiental no Brasil. Isto explica porque dos vinte candidatos ambientalistas que concorreram para a Assembléia Constituinte de 1988 somente um foi eleito, e a Frente Parlamentar Verde ter sido formada predominantemente por deputados do PT e do PSDB, e mesmo assim possibilitando transformar a legislação ambiental brasileira numa das mais avançadas do mundo. Com o maior interesse da sociedade pela questão ambiental o movimento ambientalista se expande pós Eco92, e penetra em outras áreas e dinâmicas organizacionais estimulando o engajamento de grupos socio-ambientais, científicos, movimentos sociais e empresariais, nos quais o discurso do desenvolvimento sustentado assume papel preponderante, contudo o Partido Verde não consegue capitalizar politicamente esta transformação. Neste sentido, a trajetória de Fernando Gabeira, líder nacional mais conhecido do PV traduz dramaticamente as contradições do PV num país caracterizado por dinâmicas diferenciadas desenvolvimento, e como se falou em outro lugar "por contradições e lutas de diferentes tipos". Gabeira como todos sabem, é aquele exguerilheiro do MR8 da década de sessenta, que usou a tanga da prima na Leblon na década de oitenta e que agora virou político tradicional que anda de bicicleta em Brasília. Esta trajetória poder ser ilustrada nos primeiros primeiros livros: O que é isso companheiro, Entradas e bandeiras e O crepúsculo do macho, Sinais de vida no planeta minas...até o mais recente Navegando na neblina Este livros retratam passagem de uma oposição revolucionária em partidos de vanguardista, para uma esquerda cultural baseada na libertação psicológica e sexual, incorporando, mais recentemente, um perfil mais conservador, mas também sinalizam as transformações da agenda do PV e suas metamorfoses ideológicas.

3 – O Efeito Marina PV e as Eleições 2010
Neste contexto sociopolítico que se caracteriza, simultaneamente, por uma guinada conservadora dos partidos verdes e pela falta de legitimidade política do PV brasileiro, alguns analistas se apressaram em caracterizar a Segunda Onda como uma espécie de "terceira via". A Segunda Onda representaria assim, tanto uma alternativa a agenda conservadora do PSDB/DEM de desenvolvimento por meio da liberação dos mercados, quanto a agenda desenvolvimentista de controle do mercado do PT. É por isso que o programa de Marina-PV Juntos pelo Brasil que Queremos pode afirmar "os avanços recentes foram reais, mas insuficientes e geradores de significativos desequilíbrios". Contudo, nem Marina tem no PV a base política para institucionalizar o ambientalismo, na medida em que o PV nega a forte relação entre degradação ambiental e desigualdade social Brasil, reforçando a necessidade de alianças e interlocuções coletivas com os partidos conservadores; como também as pessoas que votaram em Marina negaram a importância da agenda progressista de Marina. Para entender este processo necessitamos olhar também a composição social dos eleitores de Marina PV. A Segunda Onda é formada por quatro grupos políticos principais: 1) O primeiro deles pode ser classificado de "ressentidos de esquerda". Este grupo compreende ex eleitores do PT que se desiludiram com as políticas governamentais por falta de radicalidade; 2) O segundo compreende os "desiludidos de direita" que por vergonha de militar a favor de Serra apoiaram Marina PV por um excesso de radicalidade do Governo Lula; 3) Os "neoconservadores moralistas" de todas as ordens que viram na trajetória impoluta de marina uma fonte de virtude e argumentos necessários para extravasar o moralismo das classes médias ascendentes; 4) os "neoarcaicos" que identificaram-se com Marina pela passagem no ministério e com o PV pela pauta ambiental. A Segunda Onda é formada, portanto, por uma base política heterogênea e por isso mesmo volátil, que respondeu aos desafios da conjuntura. Os "ressentidos de esquerda" não terão alternativa se não se arrepender; os "desiludidos de direita" retornarão raivosos sem pudor para os braços da direita; os "neoconservadores" sempre poderão encontrar um candidato mais conservador; e os "neoarcaicos" de sempre não são suficientes para sustentarem projetos políticos mais ambiciosos, como mostra as recorrentes trocas de partido de Gabeira. É por isso que os resultados obtidos por Marina-PV, não exprimem nenhum patrimônio pessoal, muito menos do PV. Isto mostra porque apesar da expressiva votação nacional a bancada do PV aumentou somente dois deputados com relação a eleição passada. Portanto, Marina, a ex ministra do Meio Ambiente do Governo Lula, encontra-se num dilema: apoiar Dilma depreda o capital político acumulado nas eleições; apoiar Serra significa trair sua própria história. Por isso pediu uma moratória de quinze dias para decidir quem vai apoiar, muito embora nos bastidores o PV já tenha entrado na danças das cadeiras. O resultado parece evidente, o PV vai acabar rachando e Dilma acabará sendo eleita. Não devemos esquecer que de cada 10 votos de Marina, Dilma precisa somente 1,5, enquanto que Serra necessita de 9 sobre dez.

4 – A Segunda Onda e o Efeito Cacareco
Cacareco foi um rinoceronte que viveu no Zoológico de São Paulo, e que ficou famoso quando foi lançado vereador nas eleições de 1959, recebendo 100 mil votos. Portanto, o Efeito Cacareco constitui politicamente um voto de protesto, e sinaliza para o sistema político um descontamento. Marina-PV 2010 parecem ter sido resultado do Efeito Cacareco, na medida em que absorveram os votos de protesto, de um eleitorado bombardeado cotidianamente por escândalos, corrupção e descaso. É por isso que não necessitaram formular ou apresentar nenhum tipo de programa viável para chegar no governo. Num contexto político no qual por inicitiva popular se aprova uma Lei como a Ficha Limpa, bastou apenas enaltecer a honestidade, dedicação e o compromisso ambiental de Marina para ocupar o centro e atrair o voto dos ressentidos e dos desiludidos. O risco da Segunda Onda é Marina-PV serem instrumentalizado para que sejam reintroduzidos programas conservadores que representa a candidatura Serra. Com isso, Marina, mas não necessariamente o PV, tende a perder a credibilidade junto a população, porque seu discurso mudará de rumo e de sustentação política. Como diz o velho adágio da ciência política: capital político é mais fácil de adquirir do que preservar. O Efeito Cacareco assombra Marina-PV.

Texto de MarMat, http://sociologiadofuturo.blogspot.com/?spref=fb