domingo, 31 de outubro de 2010

Mundial de Clubes da FIFA

Você conhece o Papua-Nova Guiné? Já se imaginou assistir algum jogo de futebol do campeonato local? Já pensou ter jogos aqui na TV brasileira? Seria um show. Mas em dezembro veremos um clube deste país no Mundial de Clubes da FIFA. O retresentando exótico será o famoso Hekari United que viveu uma ascensão meteórica e passou de clube amador a campeão continental em um intervalo de apenas sete anos. Originalmente conhecido como PRK Souths United, a equipe da capital Port Moresby precisou de apenas dois anos para chegar à primeira divisão. O time se estabeleceu como a principal força do futebol de Papua-Nova Guiné quase que imediatamente, tendo vencido todas as quatro ligas nacionais disputadas no país desde que o novo formato foi adotado, em 2006. Dados que imprensionam até o mais fanático torcedor. Em 2010, o clube manteve a política de contratar os melhores jogadores do Pacífico – veja bem, Pacífico, sem brasileiros - provenientes de países como as perigosas Fiji e tradicional Ilhas Salomão, além de contar com alguns dos maiores talentos de Papua-Nova Guiné. Não por acaso, em maio deste ano, o Hekari colocou fim a um velho tabu ao se tornar a primeira equipe de fora da Austrália e da Nova Zelândia a vencer o torneio continental ou seria insular. Para se sagrar campeão da Oceania, o Hekari precisou antes vencer o seu grupo (de quatro clubes), ficando um ponto à frente do Lautoka, forte equipe de Fiji, e quatro pontos à frente do Tafea, eterno campeão de Vanuatu. Apesar do equilíbrio da chave, o time de Papua-Nova Guiné perdeu apenas uma partida antes de surpreender o Waitakere na final. Em uma atuação inspirada, o Hekari derrotou o bicampeão continental por 3 a 0 em casa e podia perder por até dois gols no jogo de volta. Em Auckland, os neozelandeses conseguiram uma vitória por apenas 2 a 1, resultado que garantiu o primeiro título da Oceania ao clube papuásio. Não posso esquecer-me de mencionar o que o forte futebol australiano faz parte da confederação asiática e não mais da Oceania. Alguma empresa poderia propor uma supercopa entre o vencedor do campeonato de Roraima com o campeão de Papua para divulgar o mercado brasileiro a eles, haja vista que lá nenhum tupiniquim exibe sua arte.

As informações utilizadas neste post irônico foram retiradas do site FIFA.com