sábado, 12 de junho de 2010

Ciberespaço

Quero dar uma folga nos comentários sobre a Copa do Mundo para trazer um texto de Pierre Levy. O professor Giovanni Alves no texto Internet: arcabouço midiático na era da financeirização sugere uma mudança da palavra dinheiro para a palavra ciberespaço, e o texto alterado fica:

O ciberespaço não é a riqueza, mas sua virtualidade. Por paradoxal que isto possa parecer, ele é inapropriável, ou melhor, por sua incessante circulação, transforma o público em privado e o privado em público, fazendo cada um e cada um diferentemente participar da inteligência coletiva do mercado capitalista. O ciberespaço pode ser evidentemente uma alavanca para o poder e para a dominação, mas catalisa igualmente forças sociais desterritorializantes que não respeitam nenhuma hierarquia instituída. Através das fronteiras, apesar dos antagonismos, o ciberespaço contribui para o melhor e o pior, para coordenar, para regular sem autoridade central inumeráveis atividades. Arrastando atrás de si os meios de transporte e de comunicação é de fato o ciberespaço do mercado capitalista, nas mãos de bilhões de seres humanos, que tece atualmente a sociedade mundial.

Novos Rumos, ano XV, n° 32, 2000.