quarta-feira, 2 de junho de 2010

A bola da copa

Já usei este espaço para inúmeras coisas. Vou usar agora para a Copa do Mundo. Nos próximos 45 dias o mundo vai respirar um evento esportivo. Serão dias especiais. Medidas no congresso poderão passar despercebidas pela população, os noticiários usarão um filtro especial com prioridade a Copa, muitas coisas vão acontecer e ninguém vai descobrir. Em Brasília um indivíduo morreu eletrocutado ao estender uma bandeira em sua rua, a patriotagem sem sentido toma as ruas vestindo-se de patriotismo (que falácia afirmar que verde amarelo de enfeito é patriotismo), enfim, é tempo de FIFA WORLD CUP. Para viver este tempo de forma intensa assinei TV fechada para fugir da Globo Buenica e poder ter o jornalismo mais equilibrado que a ESPN costuma apresentar. Mas vamos ao título do post.

A bola da copa é sim comprada em supermercado senhor Júlia Cesar! Bolas da Nike também o são. Alias, em mercados do mundo inteiro encontramos várias coisas para serem compradas: tomates, carne seca, bola, DVD... Muitas coisas mesmo, e olhe eu sou freqüentador de mercados há tempos. As criticas que nossos canarinhos fazem a bola da copa são desprovidas de sentido: a) A bola é da Adidas, a seleção veste Nike, é preciso comentar mais alguma coisa? B) Se o Brasil dever vexame culpará a bola? Se fizer isto já estão se expondo ao ridículo antes de começar o evento. Se para um bom entendedor, meia palavra basta, porque meia bola não bastaria a um craque? Os comentários já estão no ridículo e servem de chacotas por conta de nossos adversários, dirigentes da FIFA já aproveitaram a deixa da seleção para ridicularizá-la.