terça-feira, 1 de setembro de 2009

A gula e o prazer

Prazer precisa de intermitência. Como no sexo. Depois do orgasmo, o corpo está satisfeito. É preciso esperar um tempo para que ele queira de novo. O prazer continuado deixa de ser prazer, transforma-se em dor. Pois é isso que o demônio da gula faz com quem se entrega a ela. Tudo começa com o prazer do bombom. Depois de muitos bombons, o corpo já não os come pelo prazer dos bombons. O prazer já não está no gosto. Está no engolir.

(RUBENS ALVES, Sobre demônios e pecados, p.60)