terça-feira, 14 de julho de 2009

Os garotos gostam de futebol

Vou responder a um post visto no twitter: PQ os garotos só falam de futebol? Passei o dia pensando. Cada vez que retomava esta ideia o Império Romano vinha à mente. Pode ser uma frase pronta, mas ainda vale: "pão e circo". O futebol deixa transparecer o animalesco primitivo que mora dentro de cada um de nós. Os bandos a relinchar nos estádios fazem do momento o grotesco do espírito humano. Uivam com o desprezo pelo adversário, ridicularizam a autoridade máxima em campo, insultam os heróis que numa tenuidade se tornam vilões. O momento do estádio é o momento de deixar a animalidade solta sem medo de ser repreendido, onde a verdadeira liberdade de expressão é permitida, não há limites para a fala. O respeito pelo atleta se dá no gol, mas como diria Rubem Alves, "o gol não passa de um estupro". O meu prazer ocorre na insatisfação do outro. Grito para que o outro cale. Vibro para que o outro chore. Introduzo dentro da meta para ter prazer enquanto que o outro sofre a humilhação de ser penetrado e num orgasmo solitário se grita: goooool. O outro não compartilha do prazer, um verdadeiro ato animal. O futebol não passa de um espetáculo grosso que num momento mágico permite ultrapassar a barreira do real. Ao ultrapassar traz para dentro das quatro linhas a possibilidade de ser o EU sem medo dos limites morais, limites que fazem parte do cotidiano. Os garotos gostam de futebol porque naquele momento se sentem mais garotos. Uma necessidade de autoafirmação.