domingo, 10 de maio de 2009

O que é a vida?


Falamos de liberdade e estamos presos as nossas culpas, pertencemos a este mundo e ele está povoado de nossos temores. Escrevemos nossas culpas na areia e o vento se encarrega de dissipar e tudo o que era sólido se desmancha no ar e volta a sua origem.
Deveríamos nos preocupar com a cultura, com o bom português, com o Machado de Assis, com o Lima Barreto e não com All Star e carros. Querendo ou não, as pessoas são forçadas a encarar com serenidade sua posição social em vez de pagaram a faculdade e pensar no futuro. Eles preferem a prestação do carro – é assim que a sociedade quer e nós agimos.
Todos querem se dar bem com seus salários de fome, é a esperança que nós temos, mesmo depois do Navio Negreiro, ainda existem outras correntezas. Deus existe, a santa milagrosa vê que Deus não dá esmolas, subitamente assalta. Tudo que é sagrado é profano: não chore! Todos nós fedemos, todos nós mentidos e depois disfarçamos fugimos ao fundo. A vida é bela e cruel, despedida tão desprevenida e exata que um dia acaba.

Texto de Bárbara Caroline Fernandes, EEB Carlos Techentin, 3° ano do Ensino Médio, Blumenau (SC).