terça-feira, 31 de março de 2009

Mistura Boa

Há tempos eu era.
Há pouco tempo eu sou.
No espaço de quem eu era
E de quem eu sou
Descobrir as interfaces
Da pigmentação desta pele humana e frágil.
Trago em minha cara
As marcas das lágrimas
Que ganhei ao nascer desta cor.
Sou a mistura
Bruta e clara
Da ginga, da alma, do batuque
De tanta gente, de tanto sangue,
de tanta luta, de tanta dor.
Sou chamada de morena, preta,
amorenada, quase clara.
Ou cochicham à surdina: negra assanhada!
Sou mestiça, obrigada a dizer:
Sim, senhor!
Nesta terra das misturas,
E tão impune
A senzala é ocupada por todas as cores.
Agora, face a face
Sem buscar disfarce
Vejo-me grande e bela
E de toda cor.

LRD (Lú Diniz)