quinta-feira, 10 de julho de 2008

Postagem número 150: vozes e vontades

Se para publicar 100 posts eu demorei três anos, quanto tempo demoraria a postar 50 vezes? Uma regra de três simples resolveria meu problema. Certo? Errado! Escrever não segue essa lógica tão simples. Escrever não é pensar matematicamente, escrever é dar asas a imaginação. Hoje posto o número 150 após seis meses da centésima postagem. Bolo para festar? Não! Numa semana onde estou a me questionar acordei pela manhã pensando o que deveria escrever, mas quero saber por que escrevemos. Digo escrevemos porque não falo apenas de mim, falo de forma geral. Acredito que o ato de escrever sintetize inúmeras ações. Ao coletar algum texto, ao reproduzir alguma fala ou até mesmo elaborar a ligação de várias frases, buscamos dar nome as inúmeras vozes que habitam dentro nós. Vozes que insistem em sair. Vozes que não possuem nome. Vozes que possuem apenas vontade enorme de serem emitidas e gritadas. Gritadas como se fosse um único movimento. Vozes que são sufocadas porque nem sempre possuímos coragem de nomeá-las. Vozes e vontades...