sábado, 26 de julho de 2008

A espera

Esperar é, antes de tudo, desejar sem fruir, já que, por definição, e claro que não possuímos os objetos de nossas esperanças. Esperar enriquecer, ser jovem, ter boa saúde etc. certamente não é já sê-lo. E situar-se na falta do que gostaríamos de ser ou possuir. Mas é também desejar sem saber, se soubéssemos quando e como os objetos de nossas esperanças iriam se realizar, nós nos contentaríamos, sem dúvida, em aguardá-los o que, se as palavras têm sentido, é muito diferente. Enfim, é desejar sem poder, visto que, ainda por comprovação, se tivéssemos a capacidade ou o poder de atualizar nossas aspirações, de realizá-las aqui e agora, não nos privaríamos delas. Limitar-nos-íamos a agir, sem passar pelo atalho da esperança.

FERRY, Luc. Aprenda a viver: filosofia para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007. Pág. 259