quinta-feira, 12 de junho de 2008

O processo criativo e a F1 no Canadá

Nem sempre estamos inspirados para escrever. É fato e não há discussão sobre isso. Se você leitor tem a paciência de acompanhar estas linhas tortas vê que disparo para todos os lados. Não há uma linha editorial, não há um assunto tema, há sim um subtítulo: nem só de filosofia viverá este blog. Mas o que menos vejo é filosofia.

Há momentos que falta criatividade para escrever, então é preciso florir o processo criativo. Mas, o processo criativo não vem como uma estrela cadente e não some como uma tempestade no deserto. O processo criativo é o resultado daquele que insiste e insiste cada vez mais em demonstrar aquilo que está pronto para fazer. Então o segredo para aquele que deseja escrever é sentar e escrever. Então o processo criativo fará parte onde a insistência é maior que a arte.

Falando em escrever não comentei a F1 no Canadá. Posso sugerir um novo calendário para a FIA: quatro provas em cada pista: MONACO, MELBOURNE, MONTREAL e INTERLAGOS. Enquanto prevalece o calendário sensato, teremos agora a parte chata do campeonato: as pistas européias que todos dominam e conhecem. Estou a espera que a Ferrari continue errando, Hamilton batendo (que saudade de Alex Yoong e Katayama) e que Piquet finalmente termine uma corrida.