sábado, 31 de maio de 2008

SAUDADES

Poetas e músicas usaram a saudade como tema. Diria Rubem Alves, “a saudade é nossa alma dizendo onde ela quer estar”. A saudade não é única, podemos sentir falta daquela conversa, daquele amigo, daquela situação, mas a saudade causada pelo coração é uma saudade que arde. Mas ela não é apenas o olhar romântico de uma situação. Querer estar e não pode estar são dois lados de um abismo que parecer ser instransponível. Um abismo que dá vontade de mergulhar ao nada com a esperança de atravessá-lo. Sentir e não poder fazer nada causa um aperto no peito, as palavras saem da boca sem saber se de fato há algum significado, são murmuradas, quem ouve tal balbucio não sabe o motivo, mas por dentro há algo que não deixa nada simplesmente acontecer, porque a vontade não é estar aqui, e sim estar lá. Como vencê-la? Mas antes de vencê-la é preciso saber que não se mata a saudade, é a saudade que mata. No momento que for atravessado ela será vencida, mas haverá um volta, não apenas a volta daquele lado, mas com a volta vem há também o retorno da saudade. A saudade não é tristeza, mas é amiga da esperança. Esperança de vencê-la. Ela é diferente porque é intraduzível, apenas sentida por aqueles que desejam estar onde não estão. Eu sinto saudades...