sábado, 26 de novembro de 2005

As flores da minha vida!

Tentamos colher flores em meio a espinhos. Tentamos encontrar soluções para tantos desafios. Escondemos lágrimas em sorrisos, procurando desviar dos espinhos que nos ferem a cada passo.

Mergulhamos num rio para lavar nossa alma e adoçar nossa caminhada salgada e fria. Caminhamos ao impulso do vento e procuramos criar raízes para não cair. Somos covardes quando não conseguimos mudar, mesmo que a vida nos leve para isso. A solidão nos acompanha e consigo traz a indecisão.

Ela – a solidão –, porém, nos acalma e nos faz refletir. Por mais dolorido e sofrido que seja o tombo, não devemos desistir, pois ele nos faz crescer para que adiante possamos solucionar algo, algo este que só poderá ser solucionado por nós.

Para uns podemos ser insignificantes, pois não conseguem brilhar como nós.

E por fim, por mais que caímos, sofremos e choramos não devemos deixar nosso barco parar, nosso brilho se apagar, nossos sonhos se perderem no vazio, pois para tudo há um só sentido e uma razão caso contrário não teríamos caminho, objetivo e conquista. No entanto, somos especiais, pois se não fossemos não seriamos o que somos.

(autor conhecido... !?!)